sábado, 10 de setembro de 2016

Bardana

 
05-06-2016
Nome científico: Arctium minus
Sinonímia: Lappa minor
Nomes comuns: Bardana, Amores, Bardana-menor, Bardana-ordinária, Erva-dos-aflitos, Erva-dos-tinhosos, Lapa, Murruca, Pegamassa
Família: Asteraceae ou Compositae
Origem: Europa

09-10-2014
16-04-2016
A bardana é uma planta herbácea rizomatosa com um ciclo de vida bianual. Possui caules eretos, pubescentes e geralmente ramificados. No primeiro ano, forma uma roseta com folhas basais ovadas, alternas, inteiras com lóbulos redondos, muito rasas e grandes (cerca de 40 cm). No segundo ano, as folhas que se desenvolvem dos ramos são muito menores e no verão surgem as flores rosa-purpura, reunidas em capítulos solitários ou agrupadas em cachos no final dos ramos. Os seus capítulos florais são dotados de brácteas rígidas persistente que irão facilitar a dispersão das sementes ao fazerem com que os seus frutos (semelhantes a ouriços) se agarrem “ao que pela planta passar” como se fosse velcro.
11-05-2016

16-06-2016
Cultivo: Em Portugal é uma planta autóctone e ocorre em todo o território continental. Pode ser encontrada em bermas de caminhos, baldios e outros locais perturbados.
É normalmente uma planta robusta que ocorre na maioria dos solos, mas prefere solos frescos e ricos em azoto. Aprecia uma posição ensolarada, mas adapta-se à sombra parcial.

Utilizações: A “verdadeira” bardana é Arctium lappa, no entanto a Arctium minus pode ser usada da mesma forma pois tem propriedades semelhantes.
A bardana é antibacteriana, antifúngica e carminativa. É uma das plantas desintoxicantes mais importantes, tanto na medicina tradicional chinesa como ocidental.
A parte usada é a raiz seca de plantas com um ano. As suas folhas e frutos também podem ser usados para tratar infeções de garganta, erupções cutâneas e outros problemas de pele.
As suas raízes descascadas e cortadas, durante o primeiro ano, são utilizadas como alimento (receita aqui) e tostadas são usadas ​​como substituto do café. As suas folhas jovens também podem ser comestíveis e as suas hastes novas podem ser usadas como espargos.
24-05-2016
05-06-2016
24-05-2016
Da sua casca interior obtém-se uma fibra usada para fazer papel.
As suas flores atraem abelhas e outros insetos. As suas folhas servem de alimento para as lagartas da borboleta Vanessa cardui.
16-08-2016
A sua folhagem não é muito apreciada pelos animais herbívoros, devido ao sabor amargo e existem algumas referência que as suas folhas podem ser tóxicas para coelhos.
09-09-2016

Curiosidades: A planta é publicada pela primeira vez em 1762 como Lappa minor e em 1800 é publicada como Arctium minus (Hill) Bernh; O nome do género Arctium esta provavelmente relacionado com a vilosidade e aparência desgrenhada da planta; O nome da espécie, menor, deve-se à sua relação com Arctium lappa, a mais conhecida e a mais utilizada na medicina popular; A planta, nativa da Europa, instalou-se como indesejável/insavora noutros continentes; Apesar de não ter folhas nem caules espinhentos, assemelha-se, pelo tipo de inflorescência, aos cardos; O seu nome comum pegamassa tem origem no facto de se agarrar a tudo quanto mexe; O seu nome comum em inglês é Lesser Burdock.

Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...